Mãe fez sexo com filho, quer casar com ele e ter filhos

Estiveram separados 30 anos. Do reencontro nasceu uma paixão. Eles dizem que são um caso de Atração Sexual Genética

Uma mãe de 51 anos e o seu filho de 32 alegam estar apaixonados desde que se reencontraram pela primeira vez após 30 anos separados, conta o jornal Independent. Afirmam que a sua atração é sintoma de Atração Sexual Genética, um fenómeno que se manifesta frequentemente quando familiares geneticamente próximos só se conhecem na idade adulta.

Kim West ficou grávida com 19 anos e deu o filho para adoção. Trinta anos depois, Ben Ford procurava os pais biológicos e enviou uma carta à mãe. Ben vivia nos Estados Unidos e Kim vivia no Reino Unido, pelo que começaram por falar ao telefone. Já nessa altura, segundo contaram numa entrevista ao jornal britânico The New Day, começaram a sentir-se atraídos um pelo outro. Pouco depois, Ben deixou a mulher para ir viver com a mãe. Estão juntos há dois anos com planos de casar e ter filhos juntos.

Na entrevista à The New Day, em que os dois salientam o facto de a sua vida sexual ser "incrível", Kim West afirma que começou por ficar inquieta quando se sentiu atraída pelo filho que tinha dado para adoção, mas que uma pesquisa na Internet lhe deu a conhecer o fenómeno da Atração Sexual Genética.


A Atração Sexual Genética (GSA na sigla inglesa) trata-se de uma obsessão amorosa que pode surgir entre parentes geneticamente próximos que nunca se conheceram. Uma reportagem do The Guardian sobre o fenómeno citava agências de adoção que estimam que estes sentimentos de atração sexual e obsessão amorosa surgem em mais de 50% dos casos em que familiares próximos são reunidos tendo passado toda a vida separados - sejam mães e pais com os filhos, ou irmãos que só se conhecem quando já são adultos.

Acredita-se que a GSA acontece porque as pessoas não cresceram juntas. O efeito conhecido como efeito de Westermarck faz com que as pessoas que vivem em grande proximidade durante os primeiros anos de vida percam a atração sexual umas pelas outras, o que poderá ser um mecanismo evolutivo para evitar que os familiares se reproduzam entre si, levando a uma maior diversidade genética das populações. As pessoas que só conhecem um familiar próximo, como a mãe ou um irmão, na idade adulta, podem sentir uma atração extrema por encontrarem uma pessoa com uma grande parecença genética sem terem passado pelo processo de perda de atração sexual na altura do desenvolvimento.

Kim West afirma que descobrir a existência de GSA fê-la sentir-se menos estranha, e aceitou a atração que sentia pelo filho. Kim e Ben vivem atualmente no estado norte-americano do Michigan, onde afirmam ter recebido conselhos de um outro casal movido por GSA.

O incesto é ilegal no Michigan, podendo levar a penas de prisão perpétua, mas não é certo que a polícia decida agir na situação de Kim e Ben. Fonte: DN.
Partilhar no Google Plus

0 comentários :